"Calma, mãe", é o cara...col de botas * Mãe de Adolescente

“Calma, mãe”, é o cara…col de botas

EU VOU!

Que “Calma, mãe”, o quê? Tá louca? Eu tô!!!

“Calma, mãe” são as palavras mais estressantes da maternidade.

A Gigi é uma menina muito boa, sossegada, tranquila – até demais.

E toda santa vez que ela tem que fazer algo para mim ou para a manutenção geral da vida na Terra, ela enrola até não dar mais.

E quando eu chego ao ponto – e olha que eu DETESTO cobrar – de cobrar, ela sempre solta um “Calma, mãe”.

“Calma, mãe”, é o cara…col de botas

Não sei por aí, mas por aqui, o “Calma, mãe” me soa como um: “Espera aí, sua tonta. To enrolando, mas não quero cobranças”.

E isto me deixa muito, muito brava.

Tão brava que eu começo a resmungar e chilicar e aí, adeus “Mãe mais legal da internet”.

E o pior é ela arremedando o “Mãe mais legal da internet” como se eu estivesse errada de cobrá-la.

Bicho, “Calma, mãe” na casa do cara… de pau!

Mas quando é pra coisas do interesse, aí é “Vai logo, mãe”

Experimenta atrasar pra levar a criatura ao shopping que ela marcou com os amigos pra vê-la cobrando sem dó?

Pois aqui vai um aviso: “Vingança de mãe tarda, mas não falha e sempre vem com peso em dobro”.

Quer motorista no horário? Então faça as suas obrigações na hora também.

Senão…

Ah! Senão eu não tô nem aí pros seus combinados com os seus amigos.

Vai ter “Calma, filha”, sim!!!!

“Estou muito ocupada”

Outra coisa que me deixa bem put… brava, é que ela sempre está muitíssimo ocupada fazendo coisas do tipo: NADA, quando peço algo.

Está vendo vídeo na internet, jogando algo, lendo algo, ou seja?

Fazendo coisas que não são prioritárias, mas a louça tá lá esperando pra ser lavada.

“Ah, mas lavar louça não tem que ter pressa”.

Tem, sim senhora! Tem que lavar na hora que tem que lavar, oras.

“Você parece uma louca gritando, mãe”

Em primeiro lugar, tem mãe que é maluca e grita para tudo mesmo. É verdade!

Mas juro que não é o meu caso.

E para falar a verdade, eu raramente grito.

Geralmente, eu faço uma ladainha bem forte e choro, mas sem gritar.

Porém, quando grito é porque já estou no meu limite e aí “Nossa, você é louca?”

Não! Eu não sou louca!

Eu sou apenas uma mãe que falou mil vezes, conversou, cobrou e você simplesmente cagou até eu chegar neste ponto.

Bom, mas a verdade é que a gente tem que ter calma mesmo

Agora que já desabafei, recuperando a minha plena consciência, reconheço que apesar de ser um inferno ouvir “Calma, mãe”, a verdade é uma só.

E é a de que temos que manter a calma, sim.

Não por eles, por que eles mereciam mesmo era uma destas mães malucas que só gritam o tempo todo.

Mas por nós, pela nossa sanidade.

Vou cobrar? Vou, sim. E muito!

Mas não vou me estressar.

Não vou deixar que isto ME afete.

Recomendo…

E te recomendo o mesmo, porque filho testa nossos limites e a gente sempre cai.

Estejamos atentas para dribla-los e pega-los de surpresa com a famosa tiração de sarro, por exemplo.

E, claro, cortar a internet e o celular até cumprirem tarefas.

Por aqui, tem dado muito certo.

E eu? Eu ando calminha, calminha…

Comments

comments

About Author

Mãe da Gigi, uma adolescente divertida e criativa, mas que de vez em quando faz cara feia sem motivo. Criadora do LogicaFeminina.com.br, colunista no EntreTodasAsCoisas.com.br e no Superela.com, também cuido de algumas contas de clientes por aí.

Comments are closed.