Pegar roupa emprestada sem permissão: um problema para os pais • Mãe de Adolescente

Pegar roupa emprestada sem permissão? Parece algo inofensivo, mas pode dar problemas, sim!

Bom, eu nunca gostei dessa coisa da Gi pegar roupa emprestada. Emprestar sempre me incomodou bem menos.

Primeiro, porque na maioria das vezes, assim como eu não sabia que ela tomou a roupa emprestada, a mãe de quem emprestou também não sabia.

Segundo que, a partir do momento que ela toma roupa emprestada, ela se torna responsável por ela.

E a Gi, convenhamos, nunca foi a mais cuidadosa das criaturas com as roupas dela…

Nunca comprei roupas de marca

Um dos motivos de eu não gostar que ela pegue roupa emprestada, é que eu nunca comprei nada de marca em casa.

Então se ela pega algo de marca de alguém, já me sinto preocupada em dobro.

Geralmente, quando é de uma amiga, ela pega blusinhas em troca de emprestar as dela também.

Mas desta vez, ela pegou uma blusa de marca de um amigo que se comoveu ao vê-la com frio porque a dela estava molhada.

Até aí, tudo bem. Ele foi um fofo. ♥

Mas eu não sabia de nada e ela chegou em casa e não me contou.

Ela coloca as próprias roupas para lavar

Como ultimamente é a Gi quem coloca as próprias roupas para lavar, a instruí a não misturar cores, escuras e claras, blablabla.

Também a pedi para sempre que tiver pouca roupa dela, juntar algumas peças nossas para completar a lavagem.

E este segundo passo, ela seguiu direitinho.

Já, o primeiro…

Bom, ela meio que não seguia muito a risca, já que as vezes tinha só uma peça escura em meio a outras claras, ela pensava:

“Que mal há, né?”

Pois é! Mas houve.

Não foi falta de aviso

Não foi por falta de ladainha, como diz ela, porque eu sempre faço a homilia quando ela pega algo emprestado.

E também não foi por falta de informação sobre não misturar roupas claras escuras.

Acontece que como ela fez uma, duas ou três vezes e nunca deu nada de errado, ela estava convicta de que jamais daria.

Ledo engano…

Ela colocou as roupas claras para lavar, incluindo a blusa emprestada – que era branca – e como só sobrou uma calça jeans, que por acaso era nova, ela colocou junto.

E deu merda!

Sim. A blusa branca saiu azul. E ela, em desespero, foi buscar soluções no Google.

Que, claro, não deram certo.

A blusa de marca que custa R$ 245 simplesmente já era.

Ou seja? Uma blusa que eu jamais compraria para ela, mas vou ter que comprar para outra pessoa, mesmo sem ter condições.

Então, meu jovem, se você está lendo este texto:

NÃO PEGUE ROUPA EMPRESTADA.

E SE PEGAR, NÃO TENTE BURLAR AS REGRAS RÍGIDAS DE LAVAGEM E CUIDADOS COM ROUPAS.

Amém? AMÉM.

Me tornei mãe aos 24 anos, um ano após ter perdido a minha mãe. Tudo ia bem, quando aos 29, fiquei viúva de forma trágica e me vi como mãe solo. Aos 33, conheci o meu atual marido e aos 35, minha filha (com 10 anos na época) sofreu um acidente num pula-pula que a deixou 7 meses em uma cadeira de rodas e com grandes chances de sequela. Após dois anos do acidente, resolvi criar o blog e aqui estamos, vivendo juntas a emoção da maternidade durante a fase da adolescência. Mas não só isto!

Comments

comments



Comments are closed.