11 dicas de como lidar com o primeiro namoro da filha

1

A psicóloga Daniela Knapp Vargas dá dicas sobre o primeiro namoro da filha

Quando chega a adolescência, chegam também os novos desafios na vida dos pais e um deles é o primeiro namoro da filha.

Sabendo disso, resolvi pedir algumas dicas para a psicóloga clínica Daniela Knapp Vargas, que nos deixou valiosas dicas de como encarar o primeiro namoro da filha.

Gente… É tanta coisa duma vez só que fica difícil ser uma mãe descolada e, ao mesmo tempo, segura. Mas como dizia meu pai: “Uma hora a gente tem que confiar na educação que demos aos nossos filhos” e, mesmo assim, sabendo que seja lá o que acontecer, a culpa sempre recairá sobre nós.

Como sou apenas uma mãe a beira de um ataque de nervos só de pensar nisso, vou dar a palavra a alguém que manja do assunto.

A psicóloga clínica Daniela Knapp Vargas nos deu uma luz para esse túnel logo, frio e íngreme que é ser mãe de adolescente com o primeiro namoro:

A primeira coisa que os pais precisam entender é que os adolescentes não encaram o namoro da mesma forma como os adultos. Em geral, verifica-se que os pais tem uma tendência natural de não valorizar a relevância e o significado do namoro na adolescência. A maioria dos pais percebe o relacionamento como superficial e passageiro, mas para o adolescente o relacionamento é muito sério.

Por esse motivo, é necessário que os pais exerçam empatia com seu filho adolescente para entender e compreender que tudo o que acontece no namoro, por mais que aos olhos dos pais seja uma bobagem, para o adolescente será visto como algo muito sério.

Conflitos e términos, por exemplo, na visão do filho adolescente, podem ser muito graves.

Seguem as dicas da Dra. Daniela Knapp Vargas:

Converse diariamente

Os pais precisam manter um diálogo positivo com os filhos e se interessar pelos assuntos dos filhos.

Essa atitude de cumplicidade facilitará a exposição de algum problema que os pais identifiquem no namoro, como também do adolescente caso venha acontecer algum problema.

Embora os adolescentes possam desafiar a autoridade dos pais com alguma regularidade e não passem mais tanto tempo com a família, o adolescente ainda vai recorrer aos pais na procura de valores.

É importante que o adolescente tenha sentimentos positivos ao compartilhar algo com seus pais e que ele tenha liberdade para falar sobre temas importantes de vida.

Seja exemplo

Os pais são exemplos para os filhos e o adolescente provavelmente vai repetir no namoro atitudes aprendidas com os próprios pais a partir da observação do comportamento do relacionamento deles.

Construa uma base segura

Em consequência dessa necessidade o adolescente passa progressivamente a passar menos tempo com a família e mais tempo com os amigos, namorado/a e na escola. Mas é importante os pais saberem que mesmo que o adolescente tenha essa tendência, ele ainda continua a recorrer a eles na procura de valores e de uma base segura a partir da qual possam se desenvolver.

Mantenha uma relação de respeito

É essencial que os pais mantenham uma relação com os filhos baseada no afeto, proximidade e aceitação e ao mesmo tempo promovam a autonomia e independência. Ao transmitir essas características, os pais ajudam o adolescente a manter relações amorosas mais saudáveis.

Faça acordos

Lembra que para o adolescente o namoro é algo importante? O problema é que muitas vezes ele pode deixar de ir bem no colégio por só pensar na namorada. A melhor solução aqui é fazer ele entender a importância dos estudos e estabelecer trocas, por exemplo: quando tiver provas ele precisa prometer que vai estudar no dia anterior.

Esteja por perto

Observe e conheça o namorado do seu filho. É uma boa influência? Se não for é hora de orientar e alertar o adolescente. Outra observação importante é perceber se a relação é sadia ou se está tomando rumos que possam prejudicar o filho. Mas lembre-se que preservar o espaço deles também é importante. Uma dica é convidar o namorado/a para vir na sua casa. Assim você consegue observar melhor a relação.

Acalme-se

Não se culpe por não saber muito bem como agir nas situações. Toda a mudança e novidade exige um tempo de adaptação. O importante é encarar essa nova fase como algo natural.

Mantenha os limites

Não mude as regras em relação a horários, estudos e afazeres em casa só porque o adolescente começou a namorar. O namoro deve acontecer sem modificações nas responsabilidades que o adolescente já tinha.

Evite proibições

Se os pais proibirem, o adolescente provavelmente fará escondido. Direcionar e manter a tranquilidade é a melhor forma para passar por esse momento.

Veja o namoro como algo positivo

Muitos pais só conseguem perceber o lado negativo do namoro, mas o namoro pode proporcionar vários aprendizados para o adolescente como habilidades de negociação e empatia, por exemplo. Além disso, o namoro pode potencializar o seu sentido de identidade, desenvolver competências sociais e habilidades emocionais. Os inícios e términos também podem promover o desenvolvimento de resiliência , ajudando o adolescente no seu desenvolvimento emocional.

Conclusão

Por mais que nos preparemos para as situações, quando coisas como o primeiro namoro da filha acontecem, sempre temos que manter a calma e razão para não corrermos o risco de afastá-las, ao invés de aproximá-las.

É importante nos mostrarmos abertas e capazes de acolhê-las, mesmo em situações que sejam muito complicadas para nós, pois senão elas terão a tendência de fugir de nos e esconder as coisas e aí, pode ser que peçam ajuda de pessoas perigosas e que se aproveitem disso.

A postura proibitiva, em geral, não impede de fazerem nada que nós não gostaríamos que fizessem, mas as incentiva a encontrarem meios de fazer as mesmas coisas sem que saibamos e, em geral, a maioria consegue.

Assim, vale a pena repensar as nossas posturas e colocar as dicas em prática, a fim de não nos tornarmos as piores inimigas das nossas filhas numa hora tão importante.

Na Revista Todateen tem um post divertido sobre 10 coisas que ninguém nunca te disse sobre o primeiro namoro, que pode ser um ótimo gancho pra falar sobre o assunto com ela.

Bônus: A primeira consulta ao ginecologista

Estamos no século 21 e já é hora de pensarmos de forma inteligente e, claro, preparar as nossas filhas para o mundo.

Pensando nisso, é importante que elas conheçam bem o próprio corpo, os sinais deles e mantenham o hábito de cuidar da saúde íntima.

Assim, quando a filha começa a namorar, é interessante pensar em levá-la a uma consulta ao ginecologista para que ela possa tirar as próprias dúvidas e também possa se sentir a vontade com o médico.

Para ajudar, fiz um post sobre a primeira consulta ao ginecologista é pode ser interessante para entender melhor como vai funcionar.

Share.

About Author

Me tornei mãe aos 24 anos, um ano após ter perdido a minha mãe. Tudo ia bem, quando aos 29, fiquei viúva de forma trágica e me vi como mãe solo. Aos 33, conheci o meu atual marido e aos 35, minha filha (com 10 anos na época) sofreu um acidente num pula-pula que a deixou 7 meses em uma cadeira de rodas e com grandes chances de sequela. Após dois anos do acidente, resolvi criar o blog e aqui estamos, vivendo juntas a emoção da maternidade durante a fase da adolescência. Mas não só isto!